segunda-feira, 2 de junho de 2008

Carvalho, truques e perigos

O carvalho é mais usado com tintos do que com brancos. Entre as variedades de uva branca, contudo, a que mais freqüentemente vê o interior dos tonéis de carvalho ou uma sacola de lascas é a Chardonnay.
Lascas imersas em enormes tanques de vinho, são a maneira mais barata de conseguir o sabor da madeira. Desde a sua entrada em cena alguns anos atrás, sobretudo em vinhos australianos, elas permitiram também a vinhos baratos receber um toque de carvalho, até então exclusivo dos mais caros. Mas a eles faltam a sutileza de sabor e complexidade, embora o uso das lascas durante a fermentação, em vez de seu acréscimo posterior, possa dar resultados mais consistentes.
A escolha, porém, não fica somente entre lascas e tonéis. Há a escolha entre o dispendioso carvalho francês, como o empregado em os melhores vinhos da França e Califórnia, e o mais barato americano, com seus sabores mais fortes e aromáticos de baunilha, usado sobretudo na Espanha e muitas vezes em tintos australianos. Há a escolha dos tostado: alto, médio ou baixo, segundo a intensidade que se pretende dar desse atributo ao vinho. Com vinhos brancos, há as opções de simplesmente deixar a bebida envelhecer em tonéis e a de fermentá-la neles: esta última é bem mais cara, mas oferece resultados mais profundos e ricos em textura.
O tempo- meses ou anos- é outro fator crítico, assim como a idade dos tonéis: após três ou quatro anos de uso, não sobra neles muito do gosto do carvalho.
Joanna Simon, Vinho e Comida

Um comentário:

joão carvalho disse...

Como produtor, descordo dessa afirmativa pois o tempo de uso de uma barrica não é classificado de acordo com os anos de uso mas com relação a quantidade de uso dessas barricas. Posso utilizar novamente barricas novas francesas após fazer uma gran reserva e fazer outros gran reserva com mais dois anos (cada um) com excelente qualidade. O fator principal para se fazer um bom vinho não é a barrica e sim excelentes uvas. Ex: Se eu tiver uma excelente safra e uma barrica com quatro anos de uso posso fazer outro gran reserva com a mesma qualidade ou ainda melhor que a do primeiro ou segundo uso.